IFE - Instituto de Formação e Educação
RSS

Compre o Livro

Apologia do Tédio

Filed under: Psicologia incluído por Joel Pinheiro
Data do post: 2 de setembro de 2010

Teria o declínio da civilidade entre crianças e jovens relação com o fim do tédio? Não falo do tédio enquanto sensação subjetiva – esse persiste – mas do tipo de situação que antes o provocava: horas sem nenhum grande estímulo sensorial  e sem nada para fazer. Para as crianças eletronicamente hiper-estimuladas, a sensação do tédio é comum (embora demande muito menos para se fazer sentir), mas não existe mais o tempo vazio que, por bem ou por mal, ela dedicaria à reflexão, por falta de algo mais interessante. A gratificação instantânea e a hiper-estimulação sensorial têm, por esse motivo, consequências sobre como a criança e o jovem vivem e interagem em seu círculo social. O artigo é do psicólogo Adam J. Cox para The New Atlantis.


Comments (6)

6 Comentários »

  1. Olá Joel,

    A percepção não é nova. Basta relembrarmos do pico de proficiência de criação de teses científicas nas universidade americanas durante o inverno, no século XIX. A questão é que considero o termo “tédio” inadequado; melhor a “ausência de responsabilidades cotidianas”.

    Comment by Filipe Liepkan — 4 de setembro de 2010 @ 1:27 am

  2. Ou o bom e antigo “ócio”, famosamente contraposto ao neg-ócio. O link abaixo é para livro de Josef Pieper, com ensaio muito esclarecedor sobre a matéria.

    http://www.amazon.com/Leisure-Basis-Culture-Josef-Pieper/dp/1890318353

    Comment by Ricardo Leal — 4 de setembro de 2010 @ 5:01 pm

  3. O problema é que grande maioria das pessoas não aguenta a ausência de responsabilidades cotidianas, porque simplesmente não sabem o que fazer com o tempo livre.
    A expressão “ócio criativo” é muito bonita, mas é para poucos. A maioria prefere se deixar esquecer num cotidiano de trabalho medíocre, porque a maioria é medíocre.

    Comment by Ricardo — 4 de setembro de 2010 @ 9:47 pm

  4. Link corrigido para o clássico do Pieper na Amazon, em paperback, em inglês . T.S. Eliot e Roger Scruton apresentaram os ensaios em edições anteriores; James Schall nesta de agora. Depois do link para o livro, inseri um outro, para ensaio de Roger Kimball na “New Criterion”, sobre “Leisure and its Discontents”. Verdade que a leitura exige tempo e supõe uma pausa nos negócios, que aliás ajuda a colocar em perspectiva. É amplamente acessível, porém, e nada entediante.

    http://www.amazon.com/Leisure-Basis-Culture-Josef-Pieper/dp/1586172565/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1283694500&sr=1-1

    http://findarticles.com/p/articles/mi_hb3345/is_5_17/ai_n28731045/

    Comment by Anônimo — 5 de setembro de 2010 @ 11:19 am

  5. Escapou anônimo o comment que mandei com os links para Pieper e Kimball. Corrijo e assino embaixo.

    Comment by Ricardo Leal — 5 de setembro de 2010 @ 11:22 am

  6. Talvez não seja supérfluo acrescentar: o lazer de que trata Pieper, ou mesmo o “tédio” a que se refere o psicólogo no artigo objeto do post, contrastam com o que alguns filósofos chamariam de trabalho escravo – aquele que não tem por horizonte senão o do trabalho “produtivo” em si, e que frequentemente associa-se a um pseudo-lazer também escravo, “filled with fancies and empty of meaning”, como no verso do Eliot citado no ensaio da New Criterion.

    Comment by Ricardo Leal — 5 de setembro de 2010 @ 11:53 am

Deixe um comentário

*
To prove you're a person (not a spam script), type the security word shown in the picture. Click on the picture to hear an audio file of the word.
Click to hear an audio file of the anti-spam word