IFE - Instituto de Formação e Educação
RSS

Compre o Livro

Entrevista exclusiva com João Pereira Coutinho – Parte 5

Filed under: Especial incluído por dicta
Data do post: 21 de janeiro de 2009

Esta quinta parte da conversa com João Pereira Coutinho talvez seja a mais profunda e a mais reveladora. Agora, o espectador saberá que nosso lusitano favorito é um adepto do “desejo mimético” de René Girard (influências de Pedro Sette Câmara e Martim Vasques da Cunha, nossos girardianos de plantão?), admite a influência estilística de Eça de Queiroz em sua escrita e – alas! -, como qualquer jornalista que se preza, foi condenado na Justiça portuguesa por criticar um vereador. Mais uma prova que João não faz parte do armazém de secos e molhados (apud Millôr Fernandes) que se tornou o jornalismo brasileiro.


Comments (6)

6 Comentários »

  1. Acabou? Vontade de ficar ouvindo suas idéias por horas a fio….Papo bom demais!

    Comment by Tânia — 21 de janeiro de 2009 @ 2:42 pm

  2. Tomara que essa entrevista tenha, sei lá, umas 60 partes….

    E que cada parte esteja melhor do que a outra, como tem
    acontecido até agora.

    Comment by Idelfonso — 29 de janeiro de 2009 @ 5:53 pm

  3. [...] em seis partes (I, II, III, IV, V e VI) de João Pereira Coutinho. Eu não ia publicar, afinal ele não falou de Jane, mas Rebeca [...]

    Pingback by Dicas | Jane Austen em português — 24 de março de 2009 @ 2:08 am

  4. ESSE JOVEM, REALMENTE SABE O QUE FALA . PARABÉNS CHARÁ!

    Comment by joao — 4 de abril de 2009 @ 7:24 pm

  5. Excelente!

    obs: sobre como aprender a escrever, parece o Coutinho está recitando o famoso artigo do Olavo de Carvalho sobre o assunto ao afirmar a importância da imitação. Talvez ele ache interessante essa coincidência…

    Comment by Leandro — 23 de abril de 2009 @ 1:43 pm

  6. Retificando o último comentário do entrevistador, segue artigo do Código de Processo Penal, em que se evidencia que no Brasil, como regra, a exemplo do que ocorre nos demais Estados de Direito modernos, os registros de condenação não permanecem “ad eternum”.

    “Art. 748. A condenação ou condenações anteriores não serão mencionadas na folha de antecedentes do reabilitado, nem em certidão extraída dos livros do juízo, salvo quando requisitadas por juiz criminal.”

    Abraço e parabéns pelo site!

    Comment by Carlos — 26 de outubro de 2009 @ 8:32 pm

Deixe um comentário

*
To prove you're a person (not a spam script), type the security word shown in the picture. Click on the picture to hear an audio file of the word.
Click to hear an audio file of the anti-spam word